terça-feira, 1 de abril de 2014

“A Revolução dos Cravos. Teoria, Historiografia e Ensino-Aprendizagem”



Call for Papers / Apelo à Participação

“A Revolução dos Cravos. Teoria, Historiografia e Ensino-Aprendizagem”

25 de novembro de 2014
Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa

No ano em que se comemoram os 40 anos da Revolução Portuguesa, o Instituto de História Contemporânea e a Associação de Professores de História organizam uma conferência que pretende refletir a forma como a Revolução dos Cravos é pensada, narrada e ensinada. Sendo um tema que se tornou estruturante para a História Portuguesa do século XX e para a organização política atual, pelas mudanças sociais, institucionais e mentais que trouxe, é frequentemente lecionada de uma forma pouco aprofundada, dadas as limitações de tempo de que padece a disciplina de História no Ensino Básico e Secundário.
40 anos passados sobre a revolução é tempo de refletir sobre as investigações em curso e as teorias dominantes sobre o tema, numa perspetiva interdisciplinar.

Convidamos todos os interessados (Docentes do Ensino Básico, Secundário e Superior, Investigadores e Alunos do 1.º 2.º e 3.º ciclo) a apresentar trabalhos que se insiram nas seguintes linhas temáticas:

1 – Teoria e Historiografia da Revolução dos Cravos.
2 – A Revolução dos Cravos nos programas e nos manuais de História do Ensino Básico e Secundário.
3 – Propostas pedagógicas sobre a Revolução dos Cravos.

As propostas de comunicação (máximo 200 palavras) devem ser enviadas até dia 20 de junho de 2014 para getcs.ihc@gmail.com e incluir a identificação do(s) autor(es) e uma curta nota biográfica (cerca de 5 linhas).

Os autores serão notificados sobre a seleção de propostas até dia 20 de julho de 2014 e o programa divulgado até ao dia 30 de julho de 2014. Cada participante terá 20 minutos para a sua comunicação.

A organização tem a intenção de publicar em e-book as comunicações apresentadas a esta conferência. Os participantes devem enviar o texto final até dia 7 de novembro de 2014. As comunicações deverão ter até 4000 palavras, letra times new roman, tamanho 12, espaçamento 1,5.

Coordenação Científica: Miguel Barros, Raquel Pereira Henriques, Raquel Varela.

Comissão Organizadora: Ana Sofia Pinto, Giulia Strippoli, Joana Alcântara, Pedro Almeida Ferreira, Raquel Varela, Rita Nunes.

Organização: Instituto de História Contemporânea / Associação de Professores de História.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Congresso Trabalho e Movimento Operário, 28 a 30 de Novembro, Barreiro, Auditório Municipal Augusto Cabrita


No ano em que se comemora o 70º aniversário da greve de 1943, e no âmbito do projecto "Rota do Trabalho e da Indústria do Barreiro", a Câmara Municipal do Barreiro, o IELT, o IHC e a Rede de Estudos do Trabalho, do Movimento Operário e dos Movimentos Sociais em Portugal, organizam um congresso subordinado ao tema “Trabalho e Movimento Operário”, que decorrerá nos dias 28, 29 e 30 de Novembro, no Auditório Municipal Augusto Cabrita (Parque da Cidade).




Crónicas Peugeot, de Michel Pialoux e Christian Corouge, obra coordenada por Bruno Monteiro


Dia 15 de Novembro, na Universidade Popular do Porto, na Rua da Boavista, nº 736, realizou-se a apresentação de Crónicas Peugeot, de Michel Pialoux e Christian Corouge, obra coordenada por Bruno Monteiro. Segundo António Catarino estiveram presentes: "Bernard Despommadéres, adido cultural do consulado francês, responsável pela última vinda de Pialoux ao Porto, Virgílo Borges Pereira que trazia uma mensagem de Pialoux, José António Gomes, Sérgio Vinagre, José Soeiro e outras gentes não deixaram em vão a preocupação de relacionar o trabalho sociológico inovador de Pialoux com a classe operária da Peugeot de Sochaux. Para quem teima, em tempos de resistência antiliberal, em não esquecer que ainda há explorados. E exploradores. Agora, Lisboa e Coimbra. E, provavelmente, o Porto outra vez".


quarta-feira, 23 de outubro de 2013

CALL FOR PAPERS A Transformação das Relações Laborais em Portugal e o «Memorando de Entendimento»







A Transformação das Relações Laborais em Portugal e o «Memorando de Entendimento»
Centro de Documentação 25 de Abril
Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX
Centro de Estudos Sociais
Centro de Investigação em Ciências Sociais
Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Centro em Rede de Investigação em Antropologia
DINAMIA'CET - Centro de Estudos Sobre a Mudança Socioeconómica e o Território
Instituto de Estudos de Literatura Tradicional
Instituto de História Contemporânea
Instituto de Sociologia da Universidade do Porto
Rede de Estudos do Trabalho, do Movimento Operário e dos Movimentos Sociais em Portugal

21-23 maio de 2014
FCSH-UNL, ISCTE-IUL e CES-Lisboa

CALL FOR PAPERS
de 15 de outubro de 2013 a 15 de janeiro de 2014
O "memorando de entendimento" representou, entres outras consequências para a sociedade portuguesa, uma mudança nas relações e condições laborais a vários níveis – legais, salariais, sociais. O aumento exponencial do desemprego, a flexibilização das relações laborais e a pobreza são temas centrais da sociedade portuguesa atual. Nesta conferência internacional pretendemos analisar criticamente as relações laborais em Portugal, hoje e na sua evolução no Portugal contemporâneo, dando um contributo de especialistas académicos da área – numa perspectiva interdisciplinar -, para compreender criticamente a dimensão social desta mudança.
Esta conferência receberá trabalhos sobre as relações laborais, abrangendo as relações laborais, as condições laborais,  a evolução do estado social e da segurança social, as questões do emprego e do desemprego, a pobreza e o assistencialismo, atual e numa perspetiva histórica; a evolução entre as crises do desenvolvimento capitalista e as mudanças nas relações laborais em Portugal, na sua evolução histórica até aos dias de hoje; os conflitos sociais do mundo do trabalho e dos movimento sociais, bem como a memória destes movimentos.
A conferência terá uma perspetiva interdisciplinar, pelo que serão acolhidos trabalhos das diversas áreas das ciências sociais: economia, história, sociologia, antropologia, direito.
As propostas de comunicação, 10-12 linhas de texto, serão recebidas em documento word, letra Times New Roman, espaçamento 1,5, tamanho 12, acompanhadas de uma breve biografia académica e/ou profissional que não deverá exceder as 5 linhas de texto.
As propostas de comunicação devem ser enviadas para o seguinte email: conferenciarelacoeslaborais@gmail.com

Comité Científico
Alan Stoleroff | ISCTE-IUL e CIES-IUL
Ana Paula Marques | Universidade do Minho e CICS-UM
António Casimiro Ferreira | FEUC e CES-UC
António Garcia Pereira | ISEG e SOCIUS-ISEG
António Monteiro Fernandes | ISCTE-IUL
Carlos Gonçalves | IS-FLUP
Catarina Carvalho | FD-Escola do Porto/UCP
Efigénio da Luz Rebelo | UALG e CIEO-FE/UALG
Elísio Estanque | FEUC e CES-UC
Emília Margarida Marques | CRIA-ISCTE/IUL
Eugénio Rosa | Economista
Fátima Suleman | ISCTE-IUL e DINÂMIA'CET-IUL
Fernando Bessa | UTAD e CICS-UM
Fernando Liberal Fernandes | FDUP
Giulia Stripolli | IHC-FCSH/UNL
Glória Rebelo | ULHT e DINÂMIA'CET-IUL
Helena Lopes | ISCTE-IUL e DINÂMIA'CET-IUL
Hermes Augusto Costa | FEUC e CES-UC

Ilona Kovács | ISEG e SOCIUS-ISEG
Inês Fonseca | CRIA-FCSH/UNL
João Paulo Avelãs Nunes | FLUC e CEIS20-UC
João Ramos de Almeida | CES-UC
João Reis | FDUC
Jorge Leite | FDUC
José Maria Castro Caldas | CES-UC
José Nuno Matos | ICS-UL
Júlio Gomes | FD-Escola do Porto/UCP
Manuel Branco | NICPRI-Universidade de Évora
Manuel Carlos Silva | Universidade do Minho e CICS-UM
Manuel Carvalho da Silva | CES-UC
Maria da Conceição Cerdeira | ISCSP
Maria da Paz Campos Lima | DINÂMIA'CET-IUL
Paula Godinho | FCSH-UNL e IELT-FCSH/UNL
Paulo Marques Alves | ISCTE-IUL e DINÂMIA'CET-IUL
Pedro Nogueira Ramos | FEUC
Raquel Rego | SOCIUS-ISEG
Raquel Varela | IHC-FCSH/UNL
Reinhard Naumann | DINÂMIA'CET-IUL
Rui Bebiano | FLUC, CES-UC e CD25A
Sara Falcão Casaca | ISEG e SOCIUS-ISEG
Sara Granemann | ESS-UFRJ e NEPEM
Sónia Sofia Ferreira | CRIA-ISCTE/IUL
Virgílio Borges Pereira | IS-FLUP
Vítor Ferreira | Advogado

Coordenação
Cátia Teixeira | IHC-FCSH/UNL
Giulia Stripoli | IHC-FCSH/UNL
Joana Alcântara | IHC-FCSH/UNL
João Edral | IELT-FCSH/UNL
Paulo Marques Alves | Dinâmia'CET-IUL
Raquel Varela | IHC-FCSH/UNL
Rivania Moura | IHC-FCSH/UNL


Datas
15 de outubro de 2013 a 15 de janeiro de 2014 – envio de propostas de comunicação;
1 de fevereiro de 2014 – data limite para selecção de propostas;
15 de março de 2014  – publicação do programa provisório;
15 de abril de 2014 – publicação do programa final;
20 de maio de 2014 – data limite para o envio dos papers completos para a sua futura publicação em atas.



terça-feira, 22 de outubro de 2013

Workers of the World. International Journal on Strikes and Social Conflicts Número especial: “CONFLITUALIDADE NO MUNDO RURAL CONTEMPORÂNEO: NOVAS ABORDAGENS PARA UM VELHO PROBLEMA”


Editor convidado do número especial: HISTAGRA (Research Group-USC)1
Submissão de artigos / Call for papers

Esta convocatória de artigos diz respeito a um número especial da revista Workers of the World (http://www.workersoftheworldjournal.net/) dedicado à Conflitualidade no mundo rural contemporâneo: novas abordagens para um velho problema; dirige-se a doutorandos e investigadores (independentes ou com relação com alguma instituição) de todo o mundo.

Os artigos poderão ser apresentados nas seguintes línguas: inglês, francês, espanhol, português e italiano. Os textos escolhidos serão publicados em inglês, cabendo aos próprios autores responsabilizarem-se pela sua tradução nos dois meses que seguem à aprovação da sua publicação.


Sobre o número especial:

Através desta edição especial a revista Workers of the World pretende evidenciar as potencialidades da Conflitualidade no mundo rural contemporâneo. Trata-se de repensar a conflitualidade daqueles que, como camponeses, trabalhadores agrícolas, arrendatários, agricultores, etc. trabalhavam a terra, a partir de novas aproximações metodológicas ou temáticas.

São responsáveis pela edição deste número especial, os membros de HISTAGRA: Lourenzo Fernández-Prieto, Daniel Lanero, Miguel Cabo, Ana Cabana, Antonio Míguez.

Abordamos neste número a conflitualidade no mundo rural contemporâneo. O
conflito camponês esteve na base da crise do Antigo Regime e das revoluções liberais; a sua luta pela terra causou grandes mobilizações e conflitos no seio dos sistemas liberais ou despóticos, quer seja a favor da reforma agrária (México, 1911, Rússia, 1917, Espanha, 1936, Portugal, 1974) ou da independência (Irlanda ou Finlândia), quer na sequência da emergência das novas nações centroeuropeias depois da Grande Guerra; depois de 1945 surge como protagonista da descolonização e das revoluções em muitos países da Ásia, América e África e
possibilita mesmo o desenvolvimento dos estudos camponeses no âmbito das ciências sociais.

Esta conflitualidade continua a ser reproduzida atualmente, surgindo agora
a nível ambiental ou identitário. Tal persistência exige novas aproximações ao
passado para melhor apreciar as diferenças e semelhanças entre os camponeses do passado e os agricultores do presente, entre proprietários e trabalhadores agrícolas, entre camponeses com múltiplas atividades e agricultores a tempo parcial ou entre os vários grupos intermédios das sociedades rurais.

Em qualquer caso, esta aproximação contemporânea não pode deixar de
mencionar a conflitualidade dos camponeses na Idade Média ou na antiguidade, continuamente a ser revisitada das perspetivas do presente e é por essa razão que também serão tidos em conta contributos nesse sentido para este número.

Para a escolha dos trabalhos que farão parte deste número, deverão ser
observados os seguintes aspetos.

a) Aspetos historiográficos, metodológicos e conceptuais. Camponeses em
conflito e camponeses como sujeito histórico. Trabalhadores agrícolas,
camponeses e agricultores em conflito interno e externo. Dos rebeldes
primitivos de E. Hobsbawm aos estudos camponeses de Th. Shanin para
chegar aos fracos armados de J. Scott, sem negligenciar os camponeses operários urbanos de E. P. Thompson.

b) Conflitos ambientais e produtivos. O meio e a produção; conflitualidade em
torno aos recursos produtivos e a sua utilização: conflitos sócio-ambientais
no âmbito da construção histórica dos agroecossistemas. A nova história
ambiental e a agroecologia oferecem aqui novas perspetivas.

c) Propriedade, posse e luta pela terra; com especial atenção para os bens comunais. Uma abordagem habitual na historiografia clássica britânica ou francesa. 

d) Identidades contrapostas (culturais, sociais, tecnológicas...): rural-urbano. R. Williams pode ser aqui uma das referências necessárias.

e) Camponeses, agricultores e conflitos políticos contemporâneos: liberalismo, socialismo, fascismo e democracia. Os debates proporcionados por B. Moore, T. Skopol e outros merecem ser revisitados neste ponto.

f) Emigração e conflitualidade agrária: a forma como os agricultores ou camponeses que emigram exportam ou desenvolvem novas formas de conflitualidade. E como os agricultores ou camponeses retornados criam ou importam novas formas de conflitualidade. Em suma, vários conflitos no tempo e no espaço podem ser observados de pontos de vista diferentes e por isso também seria oportuno, embora não imprescindível, o estabelecimento de um diálogo com as várias teorias das ciências sociais que estudam a ação coletiva (teorias de mobilização de recursos, conjuntura de oportunidades políticas, etc.).

Em qualquer caso, seja com que abordagem for, deve ser tido em conta que mais do que enfrentar questões metodológicas e teóricas de forma abstrata, os artigos propostos deverão apresentar os resultados de investigações empíricas sobre Conflitualidade no mundo rural, extraindo, ao mesmo tempo, as novas conclusões teóricas ou metodológicas que daí decorrerem e confrontando-o com outras aproximações.


Calendário • Envio dos artigos pelos autores: 01 de setembro 2013 – 15 de janeiro de 2014 • Processo de seleção pelo editor do número: 15 de janeiro de 2014 – 31 de janeiro de 2014 • Processo de avaliação: 1 de fevereiro – 15 de março de 2014 • Notificação de aceitação do artigo pela revista: 15 de março de 2014 • Submissão da versão final do texto (em inglês) pelos autores: 15 de março – 15 de maio de 2014 • Revisão final por parte dos editores: 15 de maio – 15 de junho de 2014 • Composição final: 15 de junho – 30 de junho de 2014 • Publicação on line: 30 de junho de 2014.
Nota: Não serão aceites artigos enviados pelos autores uma vez decorridos os prazos acima indicados.


Submissão dos artigos

Todos os artigos deverão ser enviados para o seguinte endereço histagra@usc.es, com CC para workersoftheworld2012@yahoo.co.uk.

Os textos poderão ser enviados em: inglês, francês, espanhol, português e italiano. Os trabalhos escolhidos serão publicados em inglês, cabendo aos autores responsabilizarem-se pela sua tradução nos dois meses que seguem à aprovação da publicação pela revista.

Na versão final, em inglês, os artigos não devem exceder as 5000 palavras (incluindo notas e espaços) e deverão ser apresentados utilizando a fonte Times New Roman de 12 pontos, espaçamento entre linhas 1.5.
Poderão ser consultadas informações adicionais sobre a edição em:
http://www.workersoftheworldjournal.net/index.php/autor-guidelines/english-version

Processo de seleção e avaliação dos artigos

Os artigos serão inicialmente selecionados pelo editor deste número especial acompanhando os parâmetros especificados neste documento.
No total, vinte artigos serão enviados anonimamente para avaliadores por parte do editor. Cada trabalho será sujeito a revisão por dois avaliadores.
O editor escolherá doze textos a publicar de acordo com os comentários que realizarem os avaliadores.

Para informações adicionais, contactar o editor da edição especial no seguinte endereço: HISTAGRA histagra@usc.es

Seminário Estudos do Trabalho e dos Conflitos Sociais - ''O papel da «Injustiça» no desenrolar dos conflitos laborais'' - Jorge Fontes - Quinta-feira,31 de Outubro, 16.00h, na sala 1.06, piso 1, ID - FCSH

Seminário Estudos do Trabalho e dos Conflitos Sociais, IHC (FCSH-UNL)
Por Jorge Fontes, doutorando em história social e do trabalho (IHC)

Análise crítica de Injustice de Barrington Moore, a partir da obra do mesmo autor, Injustice, The Social Bases of Obedience and Revolt. Moore é uma das maiores referências teóricas académicas do séc.XX, na sociologia histórica comparada, nas teorias da modernização, nos "area studies", no estudo dos movimentos sociais e das revoluções. O livro em questão trata das causas da obediência e revolta, das diferentes percepções de injustiça aplicadas a um caso concreto: a história da Alemanha desde a revolução de 1848 até ao Nazismo.

FCSH, Av de Berna, Quinta-feira,31 de Outubro, 16.00h, na sala 1.06, piso 1, ID